DAOs: o futuro da gestão de empresas, agora sem empresas.

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner na Pipeline Capital.

Basicamente, estamos falando de empresas sem empresas. Pelo menos as empresas que conhecemos. Isso mesmo. São as DAOs, ou, em inglês, Descentralized Autonomous Organizations. 

Elas nascem do conceito de que o que as empresas fazem não precisaria, necessariamente, ser feito por empresas estruturadas como as temos hoje. 

Doido? Sem dúvida. Impossível? Huuum … talvez nem tanto.

Comecemos imaginando uma empresa como a Apple, para pegarmos um exemplo fácil e conhecido de todos. Ela é uma empresa descentralizada, já, embora siga sendo, bem, uma empresa.

Só que ela é uma empresa que produz celulares e aparatos eletrônicos que não tem uma única fábrica sequer. Quando os caras lançaram essa logística produtiva, ninguém fazia nada parecido. Não do jeito que a Apple fez. Mas o tema aqui não é a Apple, é o conceito de descentralização.

O conceito DAO leva essa lógica alguns passos mais adiante. Com base em uma cadeia inscrita no blockchain e gerida integralmente por Inteligência Artificial e computadores remotos, a nova “empresa” não tem funcionários fixos, não tem patrões clássicos como tem hoje e funciona sempre sob demanda. Produz o que o mercado já comprou, na ponta do consumo e da venda. São companhias pop up. Sem estruturas físicas fixas.

Seguiremos tendo alguma central de gestão para todo esse aparato, mas aí já não estamos mais falando de empresas como as de hoje. É outro bicho.

Um conjunto de regras pré-programadas determina como a empresa opera e os computadores fazem o resto. 

Estudo da Singularity University sobre as DAOs explica que uma frota de táxis autônomos, por exemplo, com uma camada de contratos inteligentes apoiada por blockchain, poderia funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, incluindo dirigir até a oficina para manutenção, sem qualquer envolvimento humano.

Alguém vai continuar ganhando dinheiro com isso, até porque alguém tem que financiar e bancar toda a operação. Mas é um conceito empresarial 4.0. As DAOs visam criar sistemas produtivos e de distribuição e venda em que a maior e quase única influência externa sejam os clientes. E que tudo seja operado de forma descentralizada e virtualmente.

Máquinas farão todo o resto, todo o miolo entre um pedido e sua entrega.

Doido? Sim. Impossível? Hummm… talvez nem tanto.

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.