Nova bolha de investimentos em AI já infla o mercado de VC

Tempo de leitura:
Compartilhe:

As contas não andam fechando direito faz algum tempo e os fundos de VC enfrentam o desafio de voltarem a ser, como já foram, operações de boa rentabilidade para investidores e gestores.

No SXSW deste ano, esse foi o tema do painel Rethinking the Math: Right Sizing the Venture Capital Model, que teve como hosts a simpática âncora e debatedora, a investidora Batual Joffrey, ao lado do empertigado, mas experiente e bem sucedido Bryce Roberts, Founding and Managing Partner do fundo Indie, de Salt Lake City.

Lembro-me de, assim que resolvi virar definitivamente, alguns anos atrás, a chave da minha vida e virar investidor e empreendedor, tendo a Pipeline Capital como minha nave-mãe, ao iniciar minha participação em eventos como este descrito acima, em que o tema era a discussão exatamente do mesmo assunto, me chocava ver que os números da indústria apontavam para um índice de sucesso de cerca de 5%. Quer dizer, só 5% das companhias conseguiam ser bem sucedidas no setor.

Em qualquer outro setor, esse indicador deveria dizer uma e apenas uma coisa: ineficiência, porque deixa certamente muita coisa de fora e, sem dúvida, dinheiro de rentabilidade de investimentos na mesa.

Mas o mood era exatamente o oposto O sistema se orgulhava disso. Se era assim, era porque o funil era rigoroso em busca do ganho maior e do maior retorno aos gestores e investidores.

A busca era simples: encontre, nutra e faça crescer um Unicórnio. Ou seja, tudo fora dessa lógica unívoca e monocórdia, além de baixa originalidade financeira, era fria. Coisa de quem não é competente e não sabe investir.

Sempre achei isso uma grande bobagem, porque tem muito dinheiro para ganhar fora desse cercadinho cheio de bichinhos cor de rosa com chifre fru fru e movido apenas a múltiplos de altos duplos dígitos

Bom, foi exatamente essa a conclusão do painel aqui. Óbvia. O sistema ruiu. Há um monte de fundos zumbis ainda atuando no mercado, mas andando de lado, trocando o almoço pela janta. E começa agora o inevitável redirecionamento, reposicionamento e reconceituação da matemática dos VCs.

A esmagadora maioria dos investimentos de 2022, nos mostrou a Joffrey, foi já para startups que não deverão vir necessariamente a ser unicórnios. Parte significativa também passou a ser investida menos em aventuras de transformação planetária e mais em ventures e startups com tese menos disruptivas e, espera-se, mais seguras.

No momento, os volumes de investimentos e de startups recebendo funding estão muuuito abaixo de anos anteriores. Devem retomar em 2024 (teremos que ter ainda um pouco de paciência) para até o final do ano voltarem a patamares de 2020, que seja (2021 foi o boom que levou ao estouro da bolha no ano seguinte, com um volume de investimentos altíssimos e a valuations estratosféricos).

Nesse cenário, no entanto, uma nova bolha já começa a se formar: a de AI. Um em cada três dólares do mercado de VC está já sendo aportado em AI. Tipo, seja lá o que for, traz aí.

Como nem os cientistas, nem os pesquisadores, nem os desenvolvedores, nem os empreendedores, muito menos os investidores conseguem agora saber o que dará ou não certo em AI, trata-se já de uma desgovernada corrida ao ouro.

Bolha de novo. Agora, com capacidade exponencial de explosão.


Nos siga nas redes sociais:

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Pipeline Capital faz rodada de crowdequity com sucesso para FRN³

Com 10 anos de atividade, posicionada no quadrante Platinum de Engineering Abilities da VTEX, e tendo entre seus principais clientes Seara, JBS, Panasonic, Decathlon,

Impulsione o crescimento da sua empresa com M&A

O crescimento da sua empresa vai além de um desejo – é um imperativo para assegurar sua continuidade no mercado. Entre as estratégias adotadas

Pipeline Capital é advisor da Cadastra na compra da Maeztra

A Pipeline Capital, empresa global de M&A, assessorou a Cadastra, empresa global de serviços de tecnologia, comunicação, dados e estratégia, em sua quarta aquisição seguida

Os benefícios de vender seu negócio para uma empresa maior

Vender seu negócio pode ser uma decisão difícil, mas ao considerar as vantagens de vender para uma empresa maior, muitas vezes se torna uma

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.