A quantidade de Startups vão crescer 10 vezes

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Por Idiana Tomazelli – Estadão

O governo espera multiplicar o número de startups no Brasil, hoje de 14 mil, por cinco ou até dez vezes nos próximos cinco anos com a aprovação do novo Marco Legal das Startups, assinado nesta segunda-feira (19) pelo presidente Jair Bolsonaro para ser enviado ao Congresso Nacional. O projeto de lei complementar prevê uma série de medidas para desburocratizar regras, ampliar as possibilidades de investimentos em empresas inovadoras e até criar uma modalidade especial de contratação pela administração pública, que poderá fazer o “test-drive” antes de pagar pelas soluções.

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, antecipa ao Broadcast que a proposta vai abrir um grande leque de opções para que empresas inovadoras e com operação recente possam receber investimentos. Ele cita o exemplo das verbas de pesquisa e desenvolvimento no setor elétrico e de óleo e gás, supervisionadas por Aneel e ANP respectivamente.

“São cerca de R$ 3 bilhões ao ano que, agora (com a aprovação do projeto), poderão ser direcionados a FIPs (Fundos de Investimento em Participações) que investem em startups”, afirma. “Estamos criando um contexto novo. Esquece o passado. O Brasil pode se tornar o País das startups.”

O Marco Legal das Startups vai contemplar empresas com faturamento bruto até R$ 16 milhões no ano-calendário anterior (ou R$ 1.333.334,00 por mês de atividade no ano-calendário anterior, até seis anos de inscrição no CNPJ e com declaração e utilização de modelos de negócio inovadores para a geração de produtos ou serviços. As companhias também poderão ser optantes do “Inova Simples”, uma modalidade do regime simplificado de tributação.

Os órgãos da administração pública ainda poderão criar um ambiente regulatório experimental (sandbox) individual ou conjunto para as startups, uma espécie de laboratório para testar técnicas, tecnologias e novos modelos de negócios. Será possível afastar a incidência de regulações e normas para fomentar o desenvolvimento das companhias, mas por um período específico e com alcance delimitado.

As startups também poderão receber aportes de capital por investidores, pessoa física ou jurídica, por meio de contrato de opção de subscrição ou venda de ações, debêntures conversíveis, contrato de mútuo conversível em participação societária ou outros instrumentos, sem que isso faça parte do capital social da empresa. Na prática, esse investidor não será considerado um sócio, nem responderá por eventual dívida que a companhia venha a contrair, exceto em casos de dolo, fraude ou simulação.

O subsecretário de Inovação do Ministério da Economia, Igor Nazareth, conta que 160 pessoas de 50 instituições privadas e 20 instituições públicas foram envolvidas na elaboração do projeto, que foi submetido a consulta pública e recebeu mais de sete mil sugestões. Em acordo com o que o próprio projeto busca incentivar, o governo usou técnicas de Business Intelligence (inteligência empresarial) para catalogar e filtrar todas as considerações.

O Brasil tem hoje cerca de 7 milhões de micro e pequenas empresas. Nos países em geral, a proporção de startups fica em torno de 1% das MPEs, diz Costa, mas esse porcentual é de 0,2% no País. Com a aprovação do Marco, a expectativa do governo é que haja um salto inovador. “O Brasil é um país muito inovador, flexível, é o quarto maior mercado mundial. Uma vez a gente tendo ambiente adequado, regulação adequada, podemos chegar a mais que 1%”, afirma. “O projeto das startups pode transformar tecido produtivo brasileiro”, diz.

Segundo o secretário, o governo chegou a elaborar propostas de incentivos tributários para as startups, mas esse ponto específico acabou sendo deixado para discussão no Congresso Nacional, onde já tramita a reforma tributária, mais ampla.

Contato: idiana.tomazelli@estadao.com

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.