Como a tecnologia pode ajudar a fechar o gap de gênero na Nigéria

Tempo de leitura:
Compartilhe:

O setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC) contribuiu com 18,44% do Produto Interno Bruto (PIB) da Nigéria no segundo trimestre de 2022 e a projeção é de que a indústria experimente mais saltos no futuro.

Esse crescimento é significativo quando comparado ao fato de que as TIC contribuíram com menos de 1% para o PIB da Nigéria em 2001. No entanto, apesar do rápido crescimento do setor de tecnologia do país, apenas poucas mulheres têm a oportunidade de participar, pois o ecossistema é amplamente dominado por homens.

Dados da pesquisa da ONE Campaign e do Center for Global Development mostraram que apenas cerca de 30% das 93 empresas de tecnologia pesquisadas na Nigéria são de propriedade de mulheres, e mais de um terço dessas empresas não empregava nenhuma mulher.

Nigéria perto do fundo do índice global de disparidade de gênero

Com a Nigéria classificada em 139º lugar entre 153 países no Relatório Global de Diferença de Gênero de 2021, esses números simplesmente pintam a imagem desigual de que, enquanto os homens estão moldando ativamente o ecossistema de tecnologia da Nigéria, as mulheres são, em grande parte, usuárias passivas.

Entre as muitas razões implicadas nessa disparidade, destacam-se a pobreza, o preconceito cultural em relação à educação de meninas e a falta de financiamento e orientação de empreendimentos femininos.

Se continuarmos nessa trajetória, será difícil fazer progressos significativos na Nigéria em direção ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5, que visa alcançar a igualdade de gênero para todos até 2030, e acabaremos perdendo as vantagens de ter um ecossistema tecnológico mais inclusivo.

Alguém pode se perguntar por que essa sub-representação em questões de tecnologia. Existem inúmeras razões, mas, para começar, a inovação precisa de diversidade. Pesquisas dentro e fora do setor de tecnologia mostram que melhores soluções são criadas quando os desenvolvedores representam totalmente a diversidade da sociedade em que vivemos.

Faz sentido. Se a tecnologia está sendo criada apenas por uma parcela da população, quão eficaz ela realmente será? Sem a contribuição das mulheres, muitas oportunidades e desafios serão perdidos ou apenas parcialmente resolvidos.

Em segundo lugar, apesar do crescimento do setor de tecnologia da Nigéria, a escassez de talentos tecnológicos ainda é um grande problema. A TechCabal relata que, com uma população de mais de 200 milhões de pessoas, a Nigéria tem apenas cerca de 83.000 desenvolvedores.

Compare isso com a África do Sul, que tem cerca de 118.000 desenvolvedores de uma população de 59 milhões, e a Califórnia, que tem 630.000 desenvolvedores, de uma população total de 39 milhões. Os talentos tecnológicos femininos não seriam apenas instrumentais para preencher essa lacuna, mas também trariam o impulso necessário para o setor de tecnologia da Nigéria dentro da indústria global de tecnologia.

Por fim, embora representem cerca de 50% da população, as mulheres são mais afetadas pelos desafios econômicos na Nigéria em relação ao desemprego e à desigualdade de renda, e isso pode significar que dependem mais de outras pessoas para sobreviver.

Como os empregos em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) estão em alta demanda e são bem pagos, aumentar a participação feminina no setor de tecnologia é um dos caminhos viáveis para tirar essa massa crítica das dificuldades econômicas e equilibrar a desigualdade de renda.

Mulheres qualificadas com habilidades tecnológicas sob demanda

Precisamos transcender a noção tradicional de empoderamento feminino, que se concentra em habilidades com baixo valor econômico, para capacitar nossas jovens mulheres com habilidades tecnológicas relevantes e sob demanda do século 21, como computação em nuvem, desenvolvimento de software, análise de dados, marketing digital, entre outras .

Um pilar fundamental para alcançar isso é investir conscientemente na quebra do preconceito cultural em relação à educação feminina. As mulheres representam, em média, apenas 22% do número total de graduados em universidades STEM na Nigéria a cada ano, de acordo com o National Bureau of Statistics.

Precisamos incentivar mais mulheres a se envolverem e não verem a tecnologia como uma carreira masculina. Compartilhamos aqui algumas ideias que não são necessariamente novas, mas podem ser dimensionadas para maior impacto.

1- Oportunidades de bolsas de estudo em tecnologia voltadas para mulheres


Um exemplo clássico é a bolsa de estudos Ingressive for Good 1000 Women in Design, que visa fechar a lacuna de equidade de gênero na indústria do design. Parcerias importantes com atores do setor privado, como plataformas de aprendizado on-line para fornecer conteúdo de curso, parceiros de financiamento para patrocinar os custos do curso e operadoras de telecomunicações para fornecer dados gratuitos ou com desconto para “somente aprendizado” serão fundamentais para alcançar esses esforços.

Por exemplo, se uma operadora de telecomunicações fornecer 10 gigabytes de dados por mês a um bolsista, que só pode ser gasto quando eles fizerem login na plataforma de aprendizado, isso ajudará muito a melhorar as habilidades de muitas pessoas que não podem pagar o alto custo dos dados na Nigéria. A parceria com empresas para criar estágios dedicados e programas de nível básico também será crucial para iniciar esses talentos em carreiras de tecnologia.

2- Fundos de investimento e aceleradoras com foco feminino


Atualmente redefinindo a saúde preventiva na Nigéria ao alavancar a tecnologia em diagnósticos de saúde, a Healthtracka é um exemplo de start-up liderada por mulheres que se beneficiou da participação em um acelerador de negócios e financiamento da First Check Africa, uma empresa de capital de risco que, como seu nome sugere, pretende dar às fundadoras seu primeiro cheque.

HerRyde, é outro exemplo de uma start-up liderada por mulheres que aproveita a tecnologia para lidar com a taxa alarmante de assédio e abuso que as mulheres enfrentam em viagens de carona na Nigéria. Além da oportunidade de negócio nesta solução, imagine o impacto social que ela terá na sociedade com financiamento suficiente por trás dela.
Esses problemas só serão resolvidos adequadamente quando mais mulheres forem acomodadas no ecossistema tecnológico da Nigéria. Esperançosamente, com essas intervenções, veremos mais unicórnios liderados por mulheres em um futuro próximo.

3- Plataformas de mentoria organizadas


Para muitas mulheres jovens que só conhecem as barreiras e limitações que existem para as mulheres entrarem na tecnologia, elas precisam interagir com modelos que tiveram sucesso neste setor para manter suas ambições vivas.

Portanto, programas de orientação entre mulheres jovens em tecnologia e líderes femininas em tecnologia serão essenciais para permitir o crescimento de suas carreiras e o desenvolvimento do empreendedorismo.

Algumas comunidades centradas em torno dessa ideia já existem de alguma forma, mas precisam ser ampliadas e estruturadas para crescimento, ou melhor ainda, estabelecidas como subcomunidades sob plataformas estabelecidas como Mulheres na gestão, negócios e serviço público (WIMBIZ).

A mulher precisa receber igual apoio e acesso às ferramentas de que precisa para ter sucesso na tecnologia como seus colegas do sexo masculino. Isso inclui informações, habilidades e acesso a finanças, tecnologia e mercados.

O tema do Dia Internacional da Mulher de 2022 foi “Quebre o preconceito”; Acredito que não poderia haver melhor apelo à ação para o setor de tecnologia da Nigéria fechar a lacuna de gênero e atingir todo o seu potencial.

Originalmente publicado por World Economic Forum.

Acompanhe novidades através do site  https://pipeline.capital
e também do  LinkedIn
e do  Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Equity Crowdfunding: Investimento para escalar sua startup

O Equity Crowdfunding ou Crowdfunding de Investimento, é uma ferramenta poderosa para startups que buscam levantar capital e escalar seus negócios. Diferente das formas tradicionais de

DAOs: O futuro da gestão de empresas, agora sem empresas

DAOs é a sigla em inglês para “Decentralized Autonomous Organization“, que em português significa “Organização Autônoma Descentralizada”. Basicamente, estamos falando de empresas sem empresas.

Personalidade do mês: Charlie Munger

Nossa personalidade do mês de junho, Charlie Munger, é uma figura chave no mundo das finanças e dos negócios. Ele nasceu em 1924 e

O que é um processo de M&A?

M&A é a sigla em inglês para Mergers and Acquisitions, em português, Fusões e Aquisições. Trata-se da compra e venda parcial ou total de

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.