Novas regras da Nasdaq revolucionam meios de captação para IPOs na Bolsa

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner na Pipeline Capital.

Em dezembro do ano passado, a SEC (Securities and Exchange Commission, dos Estados Unidos) aprovou a proposta da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) para permitir que as empresas levantassem capital por meio de listagens diretas, sem passar pela intermediação dos grandes bancos de investimento privados, como há décadas se convencionou fazer no mercado aberto de capitais.

A mesma SEC aprovou agora que também a Nasdaq, segunda maior bolsa de capitais dos EUA, mais focada em empresas com maior foco em tecnologia, seguisse o exemplo da NYSE, possa igualmente permitir que as empresas que buscam processos de IPO levantem capital por meio de listagens diretas, sem necessariamente passar pela intermediação dos bancos.

Ambas as mudanças configuram uma espécie de revolução histórica no modelo tradicional de décadas, em que os grandes bancos de investimentos privados organizam os processos de IPOs, beneficiando-se com isso ao oferecer previamente as ações para seus clientes privilegiados, a valores vantajosos em relação àqueles que, de fato, por ocasião do primeiro dia do IPO propriamente dito, são oferecidos publicamente aos investidores em mercado aberto.

A nova alternativa de IPO também pode atrair empresas que estão atualmente buscando abrir o capital por meio de negócios com empresas de aquisição de propósito específico (as SPACs – Special Purpose Acquisition Companies), que cresceram fortemente no mercado norte-americano, que já levantaram, segundo fontes ligadas ao tema, mais de US$ 70 bilhões.

A busca por métodos e procedimentos mais abertos do que os usuais para participação nos mercados de capitais começam a aparecer fortemente não só nos Estados Unidos, mas também em mercados asiáticos e europeus.

No Brasil, a CVM estuda também a permissão das SPACs.

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.