Previsões 2021 – M&A vai liderar o crescimento da economia!

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Artigo original em Ingles da PWC

Perspectiva para 2021: M&A lidera recuperação econômica

A recuperação de fusões e aquisições iniciada no segundo semestre de 2020 se acelerará em 2021, à medida que investidores corporativos e privados tenham acesso a capital e possam buscar negócios para construir escala e expandir o escopo.

Para alguns, o crescimento virá das indústrias, com os líderes de mercado fortalecendo sua posição à medida que a economia continua a se recuperar. Outros, vendo seus modelos de negócios afetados pela pandemia COVID-19, explorarão como as apostas de pequeno ou médio porte em setores adjacentes podem ajudar a impulsionar a transformação. E as metas de fusões e aquisições virão de um grupo crescente de vendedores – empresas que entraram em dificuldades durante a recessão, investidores privados que sempre pensam em manter períodos e saídas e empresas que estão reavaliando estratégias e podem se desfazer de ativos não essenciais, especialmente como as avaliações permanecem altas.

O que está gerando negócios

A chegada de uma nova administração presidencial pode trazer mudanças na política dos EUA que afetam as decisões de negócios em graus diferentes, especialmente se o controle do Senado também mudar. Novas leis e regulamentações sobre impostos, comércio, saúde e meio ambiente exigirão ajustes de muitos tipos diferentes de negócios, e setores como serviços financeiros e grande tecnologia podem enfrentar regras específicas. Mas a transição do presidente Trump para o presidente eleito Biden e a priorização da política pandêmica – além de uma divisão partidária contínua no Congresso e o ritmo incerto das nomeações para o gabinete – podem limitar as amplas ações regulatórias imediatas.

Em vez disso, vemos a atividade de negócios, que já está liderando a recuperação econômica geral, sendo mais influenciada por novas dinâmicas que surgiram durante a pandemia e terão um papel significativo nos negócios em 2021.

Mais megadeals no horizonte

Espere mais megadeals – transações de pelo menos US $ 5 bilhões em valor – em 2021, de empresas farmacêuticas adquirindo produtos de fase inicial ou pré-comerciais em áreas terapêuticas quentes à consolidação de bancos à medida que as taxas de juros baixas persistem, além de aquisições de private equity (PE). Esta atividade virá mesmo com o aumento das avaliações das empresas de seus pontos baixos do COVID-19 – com os múltiplos maiores da empresa liderando o caminho – em comparação com as quedas vistas nas recessões anteriores. Isso levanta a questão de quão rápido, se é que alguma vez, esses negócios podem gerar retornos e quanto esses retornos podem representar. As empresas podem ter capital para fazer grandes aquisições, mas extrair o valor pago pelos negócios exigirá um pensamento diferente no ambiente atual, principalmente em negócios maiores que tendem a ter avaliações mais altas.

O aumento dos megadeals no segundo semestre de 2020 ajudou o valor total do negócio dos EUA a se recuperar fortemente em 2021. Dos 39 megadeals anunciados até meados de novembro, 29 ocorreram depois de 1º de julho. Os megadeals corporativos estão acontecendo em vários setores, e a maioria envolve compradores e vendedores no mesmo setor, refletindo os esforços para aumentar a escala durante a recessão. Quanto ao volume total de negócios nos EUA, os cerca de 13.000 negócios nos EUA no período de 12 meses encerrado em 15 de novembro de 2020 foram apenas ligeiramente menores do que em 2019, mesmo com uma grande calmaria no segundo trimestre de 2020.

Aquisições intersetoriais expandem o escopo

Embora os negócios maiores ocorram principalmente dentro de setores, as transações com preços mais moderados geralmente envolvem empresas de diferentes setores e podem representar movimentos ousados ​​para empresas de médio ou pequeno porte. Muitos envolvem empresas não-tecnológicas que compram empresas de tecnologia, o que pode ajudar no avanço da transformação digital. E com o COVID-19 mudando os comportamentos e expectativas do consumidor, as aquisições de tecnologia podem fornecer um caminho para impulsionar a experiência do cliente. As empresas de serviços financeiros estão construindo recursos de pagamentos online por meio de aquisições de tecnologia e continuarão a reinventar a relação financeira com os consumidores em 2021. Enquanto isso, a popularidade dos jogos online está gerando negócios entre empresas de mídia e telecomunicações e negócios de tecnologia.

Consistente com os anos anteriores, cerca de um terço dos negócios corporativos dos EUA em 2020 foram negócios intersetoriais, muitas vezes para tecnologia que pode melhorar a eficiência e aprimorar as operações. Como compradores e vendedores, as empresas de consumo e de tecnologia conduzem grande parte da atividade de negócios intersetoriais. Considere a aquisição de uma empresa de biotecnologia por um conglomerado multinacional de alimentos e uma empresa de roupas de ginástica comprando um fabricante de espelhos de alta tecnologia que permitem que as pessoas participem de treinos ao vivo.

Desinvestimentos fornecem metas de M&A

Embora algumas empresas tenham entrado em dificuldades durante a recessão e vendido negócios para gerar capital, também esperamos mais desinvestimentos estratégicos em 2021. Os proprietários corporativos que reavaliam proativamente seus portfólios podem desenvolver um foco mais forte nas capacidades essenciais e traçar os melhores caminhos para o crescimento, o que pode não incluir todos os negócios atuais. Esse tipo de revisão cuidadosa também pode reduzir o escrutínio dos acionistas e esforços ativistas em potencial, especialmente porque uma venda estratégica pode exigir um preço saudável em um ambiente de alta avaliação.

No setor de energia, as empresas estão reavaliando a titularidade de ativos como gasodutos, em parte devido à pressão de grupos ambientais. Algumas empresas químicas estão respondendo aos preços mais baixos do petróleo com novos esforços de reestruturação que acreditamos incluirão desinvestimentos. Em serviços financeiros, os bancos estão reconsiderando seu envolvimento em certas linhas de negócios, como seguros agrícolas e corretoras de seguros, bem como em mercados geográficos. Enquanto isso, as seguradoras maiores exploraram a separação de seus negócios por meio de exclusões. A consolidação continuará, mas há uma confiança crescente de que um componente-chave para a criação de valor inclui o desinvestimento de negócios que podem ter mais sucesso em outros lugares.

O capital privado coloca dinheiro para trabalhar

Armadas com uma enorme quantidade de capital, as firmas de private equity estão explorando oportunidades nos setores de energia e saúde, e as empresas de varejo provavelmente permanecerão como alvos em 2021. Alguns compradores de PE acreditam que podem otimizar as operações e melhorar os retornos dos proprietários de varejo legados à medida que as empresas atendem clientes em canais novos e variados.

Até meados de novembro, as empresas de PE fecharam quase 4.100 negócios em 2020 – 5% a mais do que em 2019 e a caminho de ser o maior volume anual de todos os tempos. Quase metade dessas aquisições ocorreu em apenas dois setores, com 36% em tecnologia e 13% em mercados de consumo. O valor do negócio de PE também está subindo em 2021. Isso é um forte contraste com o valor do negócio corporativo, que viu uma queda substancial nos primeiros meses da pandemia e – apesar de uma trajetória ascendente na segunda metade de 2020 – provavelmente terminará bem níveis dos últimos anos.

Com menos situações de angústia e falências em comparação com as recessões anteriores, não houve muitas oportunidades para compradores de valor. Mas, em geral, a resiliência da PE nesta desaceleração resultou em muitas empresas permanecerem ativas e olhando para um cenário pós-pandemia em 2021.

Os SPACs mudam as correntes de M&A

O capital está fluindo em um ritmo vertiginoso para empresas de aquisição de propósito específico (SPACs), corporações do tipo “cheque em branco” que abrem o capital exclusivamente para levantar fundos para adquirir ou se fundir com empresas privadas. Para os vendedores, esse aumento expande o pool de investidores e fornece uma maneira de acessar capital que de outra forma poderia não estar disponível. Isso poderia ser atraente em comparação com uma venda direta a um comprador corporativo ou de PE, e esses compradores precisarão se ajustar a isso em 2021. Maior agilidade e flexibilidade nas negociações e estruturas de negócios, como considerar joint ventures ou outras parcerias junto com aquisições, será fundamental para fechar uma transação e obter valor.

Em comparação com o ano anterior, 2020 viu três vezes mais SPACs concluindo IPOs, com o capital total levantado sendo quase cinco vezes maior. Como os mercados de ações continuam sua recuperação desde a queda repentina no início de 2020, o interesse em SPACs permanece alto. Para alguns investidores, é um meio de apoiar a tecnologia que pode ter mais potencial de crescimento durante o coronavírus. Outros vêem os SPACs como uma oportunidade de levantar fundos significativos em mercados voláteis e fazer parceria com patrocinadores de primeira linha que possuem grande experiência no setor.

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.