Quebrei e agora? Dicas do que fazer

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Ninguém gosta de falar de falência, mas é uma situação que ocorre com a maioria dos empresários do Brasil. No Brasil, 60% das empresas falem antes do 5 ano. Saber falir, e entender todos os passos para que ocorra de modo suave sem que afete ainda mais os empresários, como funcionários e credores. Venha entender a diferença entre falência e recuperação judicial e muito mais!

Kadu: Neste episódio a gente vai falar sobre o processo de falência no Brasil, qual o momento certo de tomar esta decisão difícil e quais os passos a seguir para implementar o processo. Quebrei, e agora?

Estou mais uma vez aqui, numa gravação remota com a equipe da Pipeline Capital: nosso fundador, Alon Sochaczewski, Felipe Wasserman, nosso marketeiro e relação com investidores, Paulo Saretta, líder da nossa equipe de transaction e eu, Kadu Pedreira, market research e empreendedor digital, mediando a conversa de hoje que teve a ajuda do Dr Lázaro do Escritório Perez e Rezende nas questões mais técnicas.

Reforçando que, caso você queira contribuir com comentários e sugestões para o programa, envie sua mensagem através do nosso whatsapp 11 51990880.

Kadu: Quando decidir que faliu e que não vale a pena continuar?

OUÇA O EPISODIO AQUI!

Felipe: Empreender é o sonho de muita gente. Não ter chefe, ficar com o lucro, ou o sonho de ficar rico. Mas na prática, o número de empresas de sucesso é muito baixo.  Segundo o IBGE, o número de empresas que fecham é maior do que o número de empresas que abrem. Ao contrario das mensagens de auto ajudo no Linkedin que os vencedores nunca falem, pois saber falir é bem importante!

Quando as perspectivas não são boas, quando a prática não foi igual ao plano, e você não vê uma luz no fim do túnel, talvez seja a hora de reconhecer que não deu certo e partir para um novo desafio, antes que o fardo fique muito pesado. Eu por exemplo já passei por isso, sei o quanto foi difícil reconhecer que não ia dar certo. Mas antes tarde do que nunca. Ficou o aprendizado.

Alon: Empreender é muito importante para um país, para a sociedade. Se vc falhou, não tenha vergonha. Encare com normalidade e a vida é uma contabilidade, onde buscamos mais ganhar do que perder, mas perder faz parte da vida. Quem esconde a derrota ou tem vergonha, deveria refletir que assumir uma fraqueza ‘r uma das maiores fortalezas da personalidade de uma pessoa. 

Kadu: Qual a porcentagem de empresas que falem no Brasil?

Felipe: Ser empresario no Brasil não é facil.  segundo o IBGE De cada dez empresas abertas, seis não sobrevivem após cinco anos de atividade. Num estudo recente do Boa Vista afirma que Pequenas empresas responderam por 95,1% das solicitações no período. Infelizmente, é mais normal do que imaginamos. O importante é ter os pés no chão e saber quando é a hora de parar e partir pra outra. 

Muitas empresas falem apesar da ideia ser bom, e um dos principais motivos é a gestão e controle financeiro.

Kadu: E como nós lidamos com a cultura da falência?

Alon:  No Brasil ainda vemos a falência como uma grande decepção e uma vergonha. Os mentores de linkedin vivem postando que os vencedores nunca desistem. Mas desistir de um projeto pode ser a ação mais inteligente que um empresário possa tomar, muitas vezes os projetos não acontecem como planejado e até pelo custo de oportunidade vale a pena desistir para seguir um outro caminho.

Em outros países, a falência é vista como um aprendizado e um grande aprendizado. Não tem modo mais duro e intenso de aprender do que com os próprios erros, este é o único modo que com certeza você não vai repeti-los.

Em países como EUA e Israel, eles valorizam e não demonizam a falência. Especialmente em Israel, existe o Fuck Up Nights que existe hoje em 145 cidades e mais de 200 mil pessoas participaram. 

Kadu: Perfeito, Entendi. Mas ai entram duas outras opções: RECUPERAÇÃO e CONCORDATA. Quais são as DIFERENÇAS ENTRE eles?

Saretta: A concordata já foi extinta e era bem menos abrangente do que a recuperação.
A concordata era decidida por um juiz, a recuperação judicial é uma decisão em conjunto dos credores e administrador judicial.
A recuperação pode ser Extrajudicial: (sem a inferência da justiça, ou seja um acordo entre credor e devedor, que deverá ser homologado por um juiz). Essa seria a mais rápida, eficiente e barata de resolver. E Judicial: neste caso a justiça interfere na realização do acordo.

Um bom plano de recuperação precisa ser bom tanto para os credores quanto para o empresário.

Kadu: E quando não funciona a recuperação? 

Saretta: Ai ocorre a Falencia… 

Primeiro vem a declaração de falência, que pode ser requerida pelo empresário devedor ou pelos seus credores. 

Na sequencia, são analisadas as informações contábeis da empresa, em especial o ativo e o passivo. São levantados os bens, o que motivou a falência, bem como as ações do empresário responsável pelo negócio, incluindo possíveis crimes falimentares. 

Por último,: A liquidação, os bens arrecadados são vendidos e os credores são pagos, por ordem de preferência, encerrando o processo.

Kadu: Quem você precisa pagar primeiro?

Saretta: Resumindo: A Ordem descrita na legislação de recuperação judicial é a seguinte:

  1. Primeiro as dívidas trabalhistas; 
  2. em segundo, os créditos com garantia real (até o limite do valor do bem gravado); 
  3. Terceiro : Os impostos não pagos mas sem as multas; 
  4. Depois, os débitos com privilégio especial; 
  5. Quinta – Os créditos sem nenhuma garantia de recebimento; 
  6. O sexto: As multas contratuais e as penas por infrações das leis penais ou administrativas, (neste caso, entram as multas tributárias); 
  7. Por último: Créditos subordinados que podem ser previstos em lei, em contrato ou então pertençam aos sócios e administradores da empresa falida, que não tenham vínculo empregatício.

Kadu: Quais áreas você consegue negociar?

Saretta: Empréstimos e fornecedores. Funcionários e impostos são mais difíceis.

Kadu: Eu posso ser preso?

Saretta: A falencia em si não leva a prisão. O que leva à prisão é agir fora da legalidade. Exemplo: se houver apropriação indébita, como INSS retido do empregado, FGTS, IR fonte. Ou entao se for comprovada fraude contra credores (sangrar a empresa sem ter lucro para distribuir).

Kadu: Para fechar, o que podemos deixar de dicas para os empreendedores?

Alon: A falta de organização das finanças é uma das principais razões que podem influenciar em uma falência prematura de um empresa, e para resumir sugerimos algumas boas práticas para o empreendedor.

• Controle e Projete diariamente as Contas a Pagar e Receber de seu empreendimento;

• Tenha como parceiro, um bom contador de confiança ou uma área financeira bem estruturada

• Busque sempre conhecimentos na área de empreendedorismo e finanças;

• Procure sempre entender a fundo as necessidades de seus clientes e mercado;

• Pense grande, mas comece pequeno. • Evite dar passos maiores que pode suportar;

Mas não é só finanças. Sempre alertamos da diferença entre o empreendedor e o gestor. Ser um bom empreendedor não necessariamente significa que vc é um bom gestor. Além da área financeira, que é um alicerce importante e vital de qualquer empresa, é importante ter os outros pilares bem formados. Ter um produto ou serviço bom e sempre renovado. Criar novos produtos e saber se comunicar, fazer publicidade e marca. Não tem diferencial maior do que uma boa marca. Por último e muito importante é ter um time, hoje os fundos de investimento chama de família. Ter um time família faz toda a diferença na alegria e na tristeza. 

Agora é importante saber a hora de assumir e realizar o momento de parar, o famoso stop loss. É muito difícil saber quando, mas é importante voc6e ter uma pessoa fora da empresa que seja um conselheiro, um advisor. Trocar com alguém pode ajudar entre a teimosia e a burrice. É muito tênue a diferença. 

Kadu: mas e se falir, Alon? 

Alon: Bom…parabéns pela decisão e pela coragem. O primeiro ato é não ter vergonha de assumir isso. O segundo é ser racional. Como vc consegue decantar o passivo do ativo, e vender o ativo. Principalmente aquilo que pode gerar para outra empresa uma receita. Nos ativos como cadeiras e computadores, venda aquilo que é facil e rapido, com liquidez. O que não tiver liquidez, doe. O importante é vc fazer este movimento rápido para partir para o próximo projeto.Se vc tiver numa situaçao ou numa indecisão mande uma mensagem pra gente. Conhecemos e bem empresas de tecnologia que pode se interessar pelo serviço ou até mesmo pela sua  carteira de clientes. 

Esperamos o seu comentário ou sugestão para o nosso programa, através do nosso whatsapp 11 51990880.

Este podcast contou com a…

  • Produção executiva de Riza Soares
  • Direção de conteúdo de Will Prestes
  • Edição e sound design de Luiz Felipe Lamussi
  • E trilha e identidade sonora de Frederico Heliodoro.
  • É uma produção em parceria com a Pipeline Capital, uma boutique de M&A com gestão.
  • Sob Controle é mais um podcast Audioria.
Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.