Relatório do Banco Mundial fala em estagflação e impacto nas economias mais frágeis

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, jornalista, publicitário, consultor, publisher, autor, investidor, M&A Tech Advisor. É Senior Partner da Pipeline Capital.

 

Segue abaixo um resumo que fiz a partir de uma série de análises de especialistas internacionais sobre o último report do Banco Mundial, o primeiro depois da pandemia, lockdown na China e guerra na Ucrânia.

 

Agravando os reflexos econômicos negativos da pandemia, a invasão russa da Ucrânia ampliou a desaceleração da economia global, que está entrando no que pode se tornar um período prolongado de crescimento fraco e inflação elevada, de acordo com o último relatório de Perspectivas Econômicas Globais do Banco Mundial. Isso aumenta o risco de estagflação, com consequências potencialmente prejudiciais para as economias de renda média e baixa. O Brasil está entre elas.

 

Espera-se que o crescimento global caia de 5,7% em 2021 para 2,9% em 2022 – significativamente abaixo dos 4,1% previstos em janeiro. Espera-se que fique nesse ritmo em 2023-24, à medida que a guerra na Ucrânia instabiliza a atividade econômica internacional, os investimentos e o comércio no curto prazo, enquanto a demanda reprimida diminui e a acomodação da política fiscal e monetária é igualmente retraída. 

 

Como resultado dos danos da pandemia e da guerra, o nível de renda per capita nas economias em desenvolvimento este ano ficará quase 5% abaixo de sua tendência pré-pandemia.

 

“A guerra na Ucrânia, lockdown na China, interrupções na cadeia de suprimentos e o risco de estagflação estão esmagando o crescimento. Para muitos países, a recessão será difícil de evitar”, disse o presidente do Banco Mundial, David Malpass. “Os mercados estão ansiosos, por isso é urgente incentivar a produção e evitar restrições comerciais. Mudanças na política fiscal, monetária, climática e da dívida são necessárias para combater a má alocação de capital e a desigualdade.”

 

O relatório de junho de Perspectivas Econômicas Globais oferece a primeira avaliação sistemática de como as condições econômicas globais atuais se comparam com a estagflação da década de 1970 – com ênfase particular em como a estagflação poderia afetar os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento. A recuperação da estagflação da década de 1970 exigiu aumentos acentuados nas taxas de juros nas principais economias avançadas (e isso já ocorre agora), que desempenharam um papel proeminente no desencadeamento de uma série de crises financeiras em mercados emergentes e economias em desenvolvimento.

 

“As economias em desenvolvimento terão que equilibrar a necessidade de garantir a sustentabilidade fiscal com a necessidade de mitigar os efeitos das crises sobrepostas de hoje em seus cidadãos mais pobres”, disse Ayhan Kose, diretor do Grupo de Perspectivas do Banco Mundial. “Comunicar claramente as decisões de política monetária, alavancar estruturas de política monetária confiáveis ​​e proteger a independência do banco central pode efetivamente ancorar as expectativas de inflação e reduzir a quantidade de aperto de política necessária para alcançar os efeitos desejados sobre a inflação e a atividade.”

 

A conjuntura atual se assemelha à década de 1970 em três aspectos principais: distúrbios persistentes do lado da oferta alimentando a inflação, precedidos por um período prolongado de política monetária altamente alavancad nas principais economias avançadas, perspectivas de enfraquecimento do crescimento e vulnerabilidades que os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento enfrentam em relação ao aperto da política monetária, que será inevitável para conter a inflação.

 

No entanto, o episódio em curso também difere da década de 1970 em múltiplas dimensões: o dólar está forte, um forte contraste com sua forte fraqueza na década de 1970; os aumentos percentuais nos preços das commodities são menores; e os balanços das principais instituições financeiras são geralmente fortes. Mais importante, ao contrário da década de 1970, os bancos centrais das economias avançadas e muitas economias em desenvolvimento agora têm mandatos claros para a estabilidade de preços e, nas últimas três décadas, estabeleceram um histórico confiável de cumprimento de suas metas de inflação.

 

A inflação global deverá moderar no próximo ano, mas provavelmente permanecerá acima das metas de inflação em muitas economias. O relatório observa que, se a inflação continuar elevada, uma repetição da resolução do episódio anterior de estagflação pode se traduzir em uma forte desaceleração global, juntamente com crises financeiras em alguns mercados emergentes e economias em desenvolvimento.

 

O relatório também oferece novos insights sobre como os efeitos da guerra nos mercados de energia estão obscurecendo as perspectivas de crescimento global. A guerra na Ucrânia levou a um aumento nos preços de uma ampla gama de commodities relacionadas à energia. Preços de energia mais altos reduzirão a renda real, aumentarão os custos de produção, apertarão as condições financeiras e restringirão a política macroeconômica, especialmente nos países importadores de energia.

 

O crescimento nas economias avançadas deverá desacelerar acentuadamente de 5,1% em 2021 para 2,6% em 2022 – 1,2 ponto percentual abaixo das projeções em janeiro. Espera-se que o crescimento se modere ainda mais para 2,2% em 2023, refletindo em grande parte a redução adicional do apoio à política fiscal e monetária fornecido durante a pandemia.

 

Entre os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento, o crescimento também deverá cair de 6,6% em 2021 para 3,4% em 2022 – bem abaixo da média anual de 4,8% em 2011-2019. As repercussões negativas da guerra mais do que compensarão qualquer impulso de curto prazo para alguns exportadores de commodities dos preços mais altos da energia. As previsões para o crescimento de 2022 foram revisadas para baixo em quase 70%.

 

Baixe aqui o relatório completo do Banco Mundial.

 

Texto de Pyr Marcondes, jornalista, publicitário, consultor, publisher, autor, investidor, M&A Tech Advisor. É Senior Partner da Pipeline Capital.

 

 

Acompanhe novidades através do site https://pipeline.capital
e também do LinkedIn
e do Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Pipeline Capital é Advisor da Cadastra na compra da Qexpert

A Cadastra, empresa global de soluções de marketing, tecnologia, estratégia de negócios, data e analytics, realizou sua terceira aquisição em quatro meses. Desta vez,

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.