Como Mark Andreesen pensa o futuro das empresas e da web3. Pensamos igual.

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, jornalista, publicitário, consultor, publisher, autor, investidor, M&A Tech Advisor. É Senior Partner da Pipeline Capital.

 

Acredito muito em duas premissas para a evolução e desenvolvimento das empresas e dos negócios no futuro:

 

  1. Serão as startups que continuarão liderando as mudanças disruptivas e fundamentais do futuro, enquanto as empresas clássicas continuarão reproduzindo modelos que tem alta dificuldade de adaptação às mudanças;
  2. O ecossistema web3/blockchain/cripto veio para ficar e será disruptivo. Uma crença que vai hoje contra a maior parte do que se lê na imprensa especializada e na opinião de lideranças do mundo financeiro e até da tecnologia. Pois sigo acreditando nisso, apesar de reconhecer que muita coisa precisa ainda ser ajustada no sistema, que tende a concentrar, no tempo, mais poder na mão de quem já tem.

 

Muito bem, não estou sozinho. Obviamente, muita gente concorda comigo. Ou melhor, eu concordo com muita gente que pensa o contrário do mainstream.

 

Uma dessas pessoas com as quais concordo, e que pensam como eu penso, é Marc Andreessen.

 

Mark criou a interface gráfica da web e isso mudou nossas vidas. Criou o Netscape, e isso mudou a forma de navegarmos na internet para sempre. Depois criou a Andreesen Horowitz, uma das mais disruptivas e ousadas (e assertivas) empresas de investimento do mundo.

 

Bom, o currículo do Marc o qualifica e historicamente ele segue sendo referência, pelo que diz e pelos investimentos que faz.

 

Cito abaixo trechos da entrevista que ele concedeu aos editores de conteúdo da McKinsey, Tracy Francis e Rick Tetzeli, sobre esses dois temas que citei acima. Vamos lá.

 

Sobre as empresas clássicas e sua relação com a evolução tecnológica.

 

O problema que as grandes e clássicas empresas da Fortune 500 têm é o mesmo problema de 20 anos atrás. Eu pensei que o problema diminuiria com o tempo, mas não tenho certeza se isso aconteceu. Esse problema é que os verdadeiros profissionais de tecnologia dentro de tantas grandes empresas não são as pessoas principais da empresa. Eles não são tratados como cidadãos de primeira classe.

 

Basta olhar para o organograma. Por muito tempo, as empresas colocaram seu pessoal de tecnologia no departamento de TI. O departamento de TI era tão segregado e isolado que existem programas de TV inteiros, como a grande comédia britânica The IT Crowd, construídos em torno da ideia dos nerds na sala dos fundos. Então, cerca de 20 anos atrás, as grandes empresas receberam a mensagem de que talvez todos os seus tecnólogos não devessem estar no departamento de TI. Então eles criaram o que é normalmente conhecido como divisão digital, normalmente liderada por um vice-presidente de digital. A boa notícia é que os programadores comandam a divisão digital e são levados a sério por lá. Mas ainda é uma divisão. Ainda é uma unidade. Isso é um problema.

 

Vou dar um exemplo: na Tesla, os engenheiros que trabalham em carros autônomos são as pessoas mais importantes da Tesla. Elon fala sobre eles o tempo todo, ele fala com eles o tempo todo, e eles são basicamente os líderes da empresa. As pessoas que trabalham nessas coisas em OEMs de automóveis tradicionais não são. Talvez devessem ser, mas não são. Eles ainda estão nesse tipo de coisa de “sala dos fundos”. As pessoas que lideram o negócio há 40 anos são o mesmo tipo de pessoas que agora estão no comando.

 

Esse é o padrão. A Tesla é administrada pelo tecnólogo que imaginou a coisa toda e conhece todos os aspectos de como funciona um carro elétrico autônomo. As grandes empresas automobilísticas são dirigidas por pessoas que têm um treinamento empresarial mais clássico, que não são inerentemente tecnólogos.

 

No momento em que as ações de tecnologia são atingidas como agora, muitas grandes empresas basicamente dizem: “Oh, graças a Deus, não precisamos levar essas coisas tão a sério”. Isso aconteceu de uma maneira enorme depois de 2000. Uma das razões pelas quais a Amazon decolou é porque todos os varejistas tradicionais, depois de 2000, disseram: “Oh, graças a Deus, não precisamos mais nos preocupar com essa coisa de e-commerce .” E eles simplesmente deixaram o campo.

 

Está acontecendo exatamente o mesmo agora nesta baixa de ações de tecnologia. Então, as ações da Netflix caíram 70%, 75%, 80%, e parece que tanto faz. Antes, você tinha todas essas histórias falando sobre como a Netflix era essa força permanente, nova e dominante de Hollywood, até mesmo um possível monopólio, agora você vê todas essas histórias dizendo: “O modelo Netflix está quebrado, nunca vai se recuperar”, com grandes e clássicas empresas de mídia dizendo: “Oh, graças a Deus, essa coisa de streaming não vai ser ‘a coisa’ depois de tudo”.

 

Não importa o que digam as grandes e clássicas empresas da Fortune 500, elas ainda não se consideram empresas de tecnologia e esse é seu pecado fundamental.Grandes empresas tendem a entrar e sair da tecnologia dessa maneira, e isso as prejudica ao longo do tempo. Eles ainda têm uma sensação de alívio palpável quando pensam que não precisam mais fazer essas coisas. Quer dizer, as coisas que são disruptivas e de fato vão moldar o futuro. Inclusive delas próprias.

 

Estamos vivendo uma espécie de ciclo de loucura, onde elas continuam fazendo a mesma coisa de 20 anos atrás, esperando resultados diferentes.

 

Sobre web3/blockchain/crypto

 

Vemos esse padrão repetidamente. No momento, está acontecendo com cripto, blockchain, coisas da Web3. As pessoas têm todas essas críticas: desempenho, velocidade e assim por diante – os sites são dedicados a listar todas as coisas que ainda precisam ser ajustadas.

 

Isso é importante porque quando muitas novas tecnologias são lançadas no mundo, os comentaristas as submetem a todo tipo de crítica: essa nova tecnologia tem todos esses problemas! Não pode ter sucesso com todos esses problemas!

 

Há algo sobre criptomoedas e Web3 que desencadeia respostas que vão muito além de “Gostaria que não tivéssemos que fazer isso”. Eu descreveria mais como medo e ódio. Algo sobre isso desencadeia uma resposta extremamente negativa.

 

Mesmo na indústria de tecnologia, muitas empresas de tecnologia estabelecidas são apenas “Essas coisas são estúpidas, são falsas.” Está muito além da reação negativa inicial à internet, muito além da reação negativa inicial a quase qualquer outra área da tecnologia. Isso é visceral, e acho que há duas explicações possíveis.

 

Uma possibilidade, é claro, é que eles estejam certos. Você sempre tem que admitir que os críticos podem estar certos. Existe a possibilidade de que o futuro da economia não seja a blockchain.

 

Mas talvez a criptomoeda deixe as pessoas no limite porque envolve dinheiro. Quando as pessoas pensam “é essa nova forma de dinheiro” ou “são essas novas teorias sobre dinheiro”, ou mesmo “é essa nova forma de tecnologia que envolve dinheiro”, elas ficam emocionadas. Essa talvez seja a observação mais óbvia do mundo: o dinheiro deixa as pessoas emotivas.

 

Como pessoas que investem em ideias contrárias, essa reação nos deixa empolgados na Andreessen Horowitz. Encaramos as críticas como um presente incrível para nossos fundadores e nossa empresa. Se todas essas outras pessoas descartarem algo, e se estivermos certos de que é um grande negócio, os empreendedores que estão focados nisso terão uma oportunidade mágica.

 

Acho que esta é uma mudança de tecnologia fundamental, uma nova arquitetura para construir uma geração inteiramente nova de sistemas de computação. Estamos convencidos de que Web3/blockchain/crypto é fundamental. É uma mudança de arquitetura tão fundamental quanto as de mainframes para PCs, de PCs para Web, de Web para dispositivos móveis ou de software tradicional para IA. É uma mudança fundamental e construir isso é um processo de 25 a 30 anos.

 

É como a outra metade da internet que não sabíamos como construir quando construímos a primeira metade. Quando construímos a primeira metade da internet, toda a ideia era que a internet é uma rede não confiável, certo? Como uma rede não confiável, é um ambiente sem permissão, onde qualquer pessoa pode se conectar a ela, qualquer pessoa pode criar um site, qualquer pessoa pode ter seu computador online.

 

Isso desencadeou um enorme potencial criativo. Havia redes de computadores antes da internet, mas todas eram altamente controladas e contidas pelas empresas individuais. A internet foi a primeira rede não confiável, aberta e sem permissão, onde todos os tipos de pessoas podiam criar nela. Isso desencadeou toda a empolgação.

 

Mas há uma segunda metade para isso, que é que você não pode confiar em um ambiente de rede não confiável. Se você quer fazer negócios, você deve estabelecer confiança, certo? Você quer enviar dinheiro a alguém, assinar um contrato com alguém, juntar-se e formar um negócio, ter um conceito de proveniência de ativos e propriedade que pode mudar de mãos. Você quer todos esses conceitos com os quais estamos acostumados no mundo real, como identidade, contrato, dinheiro, título e confiança, a mecânica de uma economia confiável. A internet não tem nada disso. Sempre quisemos isso, mas simplesmente não tínhamos a tecnologia nativa da Internet para fazer isso.

 

Blockchain/Web3/crypto é a segunda metade da internet. Ele coloca a confiança em cima da rede não confiável. E à medida que você coloca a confiança no topo, você consegue colocar todas as outras atividades econômicas on-line que você não conseguiu on-line. Essa é a grande coisa.

 

 

Texto de Pyr Marcondes, jornalista, publicitário, consultor, publisher, autor, investidor, M&A Tech Advisor. É Senior Partner da Pipeline Capital. 

 

 

Acompanhe novidades através do site https://pipeline.capital
e também do LinkedIn
e do Instagram

 

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Crescimento do setor de Fintech

E a Scale Ventures como oportunidade de investimento neste mercado O setor de fintech tem experimentado um crescimento exponencial nos últimos anos, impulsionado pela

Mercado de M&A é como um filme

O mercado de M&A (fusões e aquisições) possui uma jornada que pode ser vista como um filme composto por várias cenas, e não apenas

Pipeline Capital lança seu primeiro Scape Report na Europa

A empresa especializada em M&A no setor de Tech já elaborou anteriormente outros Scape Reports com o objetivo de oferecer uma compilação das empresas

M&A no setor de tecnologia: desafios e oportunidades

As fusões e aquisições (M&A) no setor de tecnologia têm se destacado como uma poderosa ferramenta para empresas que buscam inovação, expansão e competitividade.

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.