Investimentos em streaming tomam um baque. Outros virão.

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital Tech.

A lembrança e presta atenção vem da Bloomberg. Investidores estão bastante intranquilos com o desempenho de alguns dos mais importantes serviços de streaming da indústria, entre eles o pioneiro, ainda líder e emblemático Netflix. Pela primeira vez em uma década, a empresa perdeu 2 milhões de assinantes no trimestre atualizado semana passada.

A semana seguiu com choques igualmente relevantes de perda de adeptos por parte de Discovery e Roku. E a CNN+ fechou suas operações após apenas algumas semanas de sua estreia.

Esse é um mercado que seguirá sujeito a esse tipo de estremecimento e rearranjo entre os players. São muitos. São fortes e cheios de grana. Cada operação de entretenimento e/ou de mídia tem seus serviços de streaming e, tudo indica, não há espaço saudável para a lucratividade de todo mundo.

Não é possível imaginar um setor da economia, seja ele qual for, que siga com os índices de crescimento recorrentes que o mundo do OTT vinha (e, de certa forma, ainda vem) registrando em anos, desde sua primeira estreia (inception dizem em inglês… gosto dessa palavra … inception).

 

Pois desde sua inception, o setor só viu duas coisas acontecerem concomitantemente: crescimento do número de players e do número de assinantes. A pandemia acelerou a adesão e a audiência, os negócios e as ações dessas companhias tiveram seus valores apreciados promissoramente. Mas não dá para sustentar esse quadro anos e anos a fio. Alguns players ficarão pelo caminho. Investidores que apostarem errado vão perder dinheiro. A audiência vai sambar daqui para lá e de lá pra cá, ao sabor das novidades e lançamentos (investir na produção de novos títulos drena uma gigantesca parte da rentabilidade dessa indústria num ralo sem fim), vantagens competitivas que vão desde títulos inéditos e proprietários até vantagens financeiras em planos de assinatura. Só que a briga por preço em planos de assinatura é também um ralo sem fim e leva a uma perda de margem que arrasa com o negócio. Vimos isso acontecer com a empresa de telefonia. Boa parte das operadoras tem hoje problemas sérios de rentabilidade por essa razão, entre outras.

 

O mercado de investimentos é obviamente muito sensível a tudo isso.

O megainvestidor e bilionário Bill Ackman retirou seus investimentos na Netflix semana passada, porque perdeu mais de US $430 milhões em três meses. Netflix foi a pior ação dentre as listadas no S&P 500. Com esse desempenho, é de se esperar que outros investidores sigam seu exemplo.

Enfim, viveremos grandes emoções nos investimentos na indústria de streaming de agora em diante. Exatamente o que essa mesma indústria promete com seus conteúdos para todos nós.

 

 

 

Acompanhe novidades através do site https://pipeline.capital
e também do LinkedIn
e do Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Pipeline Capital é Advisor da Cadastra na compra da Qexpert

A Cadastra, empresa global de soluções de marketing, tecnologia, estratégia de negócios, data e analytics, realizou sua terceira aquisição em quatro meses. Desta vez,

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.