Mercado de Fusões e Aquisições recupera fôlego com 160 transações em Maio

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto originalmente publicado no Portal Fusões e Aquisições.

 

O mercado brasileiro de fusões & aquisições em maio de 2022 está recuperando o fôlego. Os setores de Tecnologia da Informação, Companhias Energéticas e Telecomunicações e Mídia foram os mais ativos e os investidores nacionais predominaram.

Aumento de 1,1% do acumulado dos últimos doze meses, 1.986 operações, comparado com o mesmo período do mês anterior. Já em relação ao acumulado dos 12 meses até mai/21, o aumento é de 35,1%.

No mês de maio foram realizadas 160 transações, crescimento de 11,9%, em relação ao mês anterior e investimento de R$ 34,9 bilhões, queda de 38,6%. Se comparado com o mesmo mês do ano anterior, as quedas foram de 7,1 % no volume e de 27,8% nos investimentos.

Nos primeiros cinco meses do ano, com 741 operações e investimentos de R$ 196,4 bilhões, representa crescimento 13,0% no volume e de redução de 27,8% no valor, em relação ao mesmo período do ano passado.

Tanto o volume como os investimentos das transações dos primeiros cinco meses do ano, de porte acima de R$ 1,0 bilhão, foram as que acusaram a maior queda.

O volume e os investimentos realizados nas operações de porte até R$ 50 milhões foram os únicos que apresentaram crescimento, de 32,9% e 51,6%, respectivamente.

Valor médio das transações no acumulado dos cinco primeiros meses do ano registra queda de 36,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Predomínio dos Investidores Estratégicos com crescimento de 16,4% no volume em relação aos 5 meses do ano passado e queda de 9,0% nos investimentos.

Os investidores Financeiros registraram aumento de 7,3 % no volume e queda de 57,0% no montante dos investimentos no acumulado do ano.

Investidores Nacionais com maior apetite nos 5 primeiros meses do ano, registraram 619 negócios, um crescimento de 13,6%, e o montante de R$ 145,9 bilhões, com queda de 33,5% .

No ano os Investidores Estrangeiros registraram 122 negócios, um crescimento de 9,9%, e redução de 4,3% no valor dos investimentos.

Foram mapeados 29 negócios realizados por investidores de 13 países. Os EUA, com 15 operações e investimento da ordem de R$ 5,5 bilhões foi o de maior apetite.

Maior transação do mês de maio/2022:

As empresa de Companhias Energéticas responderam por 2 dos 5 maiores negócios neste mês. Eneva adquire térmica Celse por R$6,1 bi e avança com projeto de “hub” de gás.

 

Análise do Mês

Manteve a concentração setorial

Os 5 setores mais ativos responderam no mês de maio/22 por 65,6% do total das operações, contra 67,6% no mesmo mês do ano passado, mantendo praticamente o mesmo grau de concentração dos TOPs 5.

 

 

Crescimento de 11,9% do número de operações em relação ao mês anterior.

Foram divulgadas com destaque pela imprensa no mês de maio 160 transações em 22 setores da economia brasileira, registrando um crescimento de 11,9% em relação ao mês anterior (143 operações).

Confrontando com o mesmo mês do ano anterior, constata-se um crescimento de 15,1%, quando foram apuradas 139 negócios.

 

 

Evolução nos últimos 5 anos

No acumulado dos primeiros cinco meses de 2022, apuradas 741 operações, registra um crescimento de 13,0% se confrontado com igual período de 2021, quando foram realizadas 656 operações.

 

 

Maiores apetites x maiores quedas.

Setores mais representativos nos primeiros cinco meses. No gráfico dos setores mais ativos no acumulado do corrente ano, além de TI, destacam-se Instituições Financeiras e Companhias Energéticas.

 

 

No acumulado do ano o segmento com maior crescimento no número de transações em relação o mesmo período do ano passado foi o de TI, com um aumento de 28 operações, seguido por Companhias Energéticas e Instituições Financeiras.

 

 

Os setores que apresentaram maiores quedas no nº de transações no acumulado do ano, em relação ao mesmo período do ano passado, foram Transportes; Outros; Construção e Produtos para Construção e Fertilizantes.

 

 

Retomada do fôlego no acumulado do volume de transações dos últimos doze meses.

O mês de maio/22 retoma o crescimento, praticamente uma constante ao longo dos últimos dois anos – desde jul/20 – no acumulado do número de transações. A maior queda ocorreu no apogeu da pandemia e por um curto período de 4 meses – entre mar/20 a jun/20.

Maio registra aumento de 1,1% do número de transações de M&A acumuladas nos últimos doze meses, com 1.986 operações, comparativamente com o mesmo período do mês anterior. Já em relação ao mesmo período acumulado do ano anterior – mai/21, o aumento é de 35,1%.

No gráfico do acumulado, pode-se inferir ciclos distintos de crescimento e queda do número de transações. Destacam-se prováveis fatores que mais estão repercutindo nas expectativas de investimentos. Integra também o gráfico, (i) a evolução da série histórica do índice BOVESPA (desempenho das ações negociadas na B3), no mesmo período, e (ii) a evolução da taxa de câmbio.

A dois ano atrás, março foi marcado como o início da pandemia no Brasil e a queda continuou em abril O mesmo fenômeno se repete dois anos depois.

Os primeiros cinco meses de 2022 foi marcado pela invasão da Rússia na Ucrânia e o encerramento da emergência de saúde pública de interesse nacional da pandemia da covid-19.
Dólar encerra o mês de maio com alta de 3,86%. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores, registrou alta de 3,22%.

 

 

Porte das transações

Das 160 transações apuradas no mês, 102 são de porte até R$ 49,9 milhões – 63,8 % do total e responderam por 4,6 % do seu valor. No acumulado do ano, para este mesmo porte de operações, registraram-se 513 transações representando 69,2% do total e 3,9% do valor. E impacta um crescimento de 32,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O volume de transações acumuladas no ano de porte acima de R$ 1,0 bilhão foram as que acusaram a maior queda, de 38,5%

 

 

No comparativo das participações das transações em função do porte nos primeiros cinco meses do ano, permite identificar a variação do volume – percentual – ao longo dos últimos 3 anos.

A mudança estrutural mais significativa em relação ao mesmo período do ano passado está no crescimento do volume das transações de pequeno porte até R$ 50 milhões.

 

 

Queda de 7,1% do montante dos investimentos em relação ao mesmo mês do ano anterior

Quanto aos montantes dos negócios realizados no mês, estima-se o total de R$ 34,9 bilhões. Representa uma queda de 7,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior – considerando Valores Divulgados (84,3%) e Não Divulgados/Estimados (15,7%). Em relação ao mês anterior, verifica-se uma expressiva queda de 38,6 % quando atingiu o montante de R$ 56,8 bilhões.

Redução de 27,8% do montante dos investimentos no acumulado do ano. Quanto aos montantes dos negócios realizados no acumulado do ano estima-se o total de R$ 196,4 bilhões, representando uma queda de 27,8% em relação ao mesmo período de 2021.

Os investimentos realizados nas operações de porte até R$ 50 milhões foram os únicos que apresentaram crescimento – de 51,6%. Já os investimentos das operações acima de um bilhão de reais tiveram as maiores quedas.

 

 

No comparativo das participações das transações nos primeiros cinco meses do ano, permite identificar a variação dos investimentos – percentual – em função do porte, ao longo dos últimos 3 anos. A alteração mais significativa está na redução dos investimentos das transações de porte superior a R$ 1,0 bilhão.

 

 

Valor médio das transações

Valor médio das transações nos primeiros 5 meses do ano registra queda de 36,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O valor médio das transações realizadas no acumulado do ano alcançou R$ 265,1 milhões, contra R$ 415,0 milhões no mesmo período de 2021, representando uma redução de 36,1%.

 

 

A queda do valor médio do acumulado do ano ficou por conta das transações de porte entre R$ 500,0 milhões a R$ 1,0 bilhão, comparativamente com o mesmo período do ano anterior.

Dinâmica & Origem dos Investidores

 

 

Investidores Estratégicos

Crescimento de 16,4% no volume em relação ao acumulado do ano passado e queda de 9,0% nos investimentos – O maior apetite neste mês ficou por conta dos investidores Estratégicos com 107 operações (66,9%), e responderam por 88,9 % dos montantes investidos. No acumulado do ano, os Estratégicos, com 476 operações tiveram crescimento de 16,4% em relação ao ano passado. Responderam por 62,3% dos negócios e 60,7% dos investimentos, no montante de R$ 165,3 bilhões, o que significa uma queda de 9,0% em relação ao mesmo período do ano de 2021.

Investidores Financeiros

Os investidores Financeiros cresceram 7,3% no volume e queda de 57,0% no montante dos investimentos no acumulado do ano. Realizaram 53 operações no mês de maio num montante de R$ 3,9 bilhões. No acumulado do ano os investidores financeiros alcançaram 265 operações – crescimento de 7,3% – correspondendo a 35,8% dos negócios e 23,4% dos investimentos, no valor de R$ 46,0 bilhões, representando uma queda de 57,0% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Investidores Nacionais

Investidores Nacionais com maior apetite no acumulado do ano, crescimento de 13,6% no volume e queda de 33,5% no montante. Os investidores de Capital Nacional foram responsáveis no mês por 131 operações, 81,9%, e investimento da ordem de R$ 21,2 bilhões, correspondendo a 60,9% do total. No acumulado do ano, os nacionais foram responsáveis por 619 operações – crescimento de 13,6% em relação ao ano anterior, e responderam por 83,1% das operações. O investimento foi da ordem de R$ 145,9 bilhões, o equivalente a 74,3% do total, correspondendo a uma queda de 33,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Investidores Estrangeiros

No ano os Investidores Estrangeiros registraram crescimento de 9,9% no volume de transações e reducão de 4,3% no valor dos investimentos. Os investidores de Capital Estrangeiro realizaram no mês 29 operações – 18,1% do total, no montante de R$ 13,6 bilhões – 18,1% do total. No acumulado do ano, os Estrangeiros com 122 operações registraram um crescimento de 9,9% – responderam por 16,5% dos negócios. Os investimentos alcançaram o montante de R$ 50,5 bilhões (25,7%), o que significa uma redução 4,3% em relação ao mesmo período do ano de 2021. Importante mencionar que as informações disponíveis sobre os investimentos em relação aos IPOs, na B3, são tratados como de capitais nacionais na data da divulgacão deste relatório. Quanto a aportes de investimentos conjuntos de vários fundos de Private Equity, considera-se a nacionalidade do líder do bloco.

No mês de mai/22, foram mapeados 29 negócios realizados por investidores de 13 países.

Os EUA com 15 operações foram os de maior apetite estrangeiro no mês e um investimento estimado em R$ 5,5 bilhões.

Maiores transações do mês de maio/2022:

As empresa de Companhias Energéticas responderam por 2 dos 5 maiores negócios neste mês.

Eneva adquire térmica Celse por R$6,1 bi e avança com projeto de “hub” de gás – A Eneva anunciou na noite de terça-feira um acordo para aquisição da Celse, uma das maiores usinas termelétricas a gás em operação na América Latina, por 6,1 bilhões de reais, em uma transação que amplia seu portfólio de ativos de geração e a posiciona para criar um “hub” de gás na costa brasileira.

BR Properties vende ativos para grupo Brookfield por R$5,92 bi – A BR Properties anunciou nesta quarta-feira acordos para venda de uma série de importantes edifícios e participações em empreendimentos imobiliários detidos pela empresa em cidades incluindo Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

Texto originalmente publicado no Portal Fusões e Aquisições.

 

 

 

Acompanhe novidades através do site https://pipeline.capital
e também do LinkedIn
e do Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Cultura corporativa em transição

Mantendo a identidade durante o crescimento A cultura corporativa é o coração de qualquer empresa. É o conjunto de valores, crenças e comportamentos compartilhados

M&A e o futuro da indústria de tecnologia

Uma dança complexa. Nos corredores da indústria de tecnologia, uma dança complexa está sempre em andamento. É a dança do M&A (fusões e aquisições),

Pipeline Capital faz rodada de crowdequity com sucesso para FRN³

Com 10 anos de atividade, posicionada no quadrante Platinum de Engineering Abilities da VTEX, e tendo entre seus principais clientes Seara, JBS, Panasonic, Decathlon,

Impulsione o crescimento da sua empresa com M&A

O crescimento da sua empresa vai além de um desejo – é um imperativo para assegurar sua continuidade no mercado. Entre as estratégias adotadas

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.