Corporações, startups e o zeitgeist entre elas: que mudará tudo

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital Tech.

Em pouco mais de 20 anos, com ênfase exponencial nos últimos 10 anos, o espírito do tempo na relação entre corporações e startups evoluiu de uma dinâmica experimental esporádica para uma interdependência e uma interconexão profundamente transformadoras. Tornou-se um caso sério.

Capturar o espírito do tempo é coisa que os filósofos alemães dominam como ninguém. Zeitgeist é o termo que usam para isso. Ele, usualmente, não se aplica a micro universos, já que o espírito do tempo é tão grande quanto, bem, tudo num determinado tempo. Mas vou tomar minhas chances aqui.

Creio, como uma seita,  que as startups são a maior força transformadora das economias globais destes e dos próximos anos à frente. Elas, em conjunto com as corporações, a academia e os laboratórios, habitáculos da ciência, estão mudando tudo à nossa volta e no como vivemos. São o motor do espírito destes novos tempos. Zeitgeist.

No nosso caso aqui, trata-se de refletir sobre essa relação, por vezes ambígua e, conceitualmente, com frequência, contraditória, entre as grandes companhias e essas pequenas mas poderosíssimas máquinas de disrupção. E como esse zeitgeist vai evoluir no tempo do Tempo.

Espírito e alma: tudo digital

O espírito do nosso tempo é digital e encontra-se embrenhado de algoritmos até a alma. Poderíamos chamá-lo de “A Era dos Algoritmos”. As economias tornaram-se igualmente digitais e tecnologicamente operadas, a ponto de terem se transformado em verdadeiros sistemas operacionais.

Para o mundo corporativo, essa revolução foi de morte (já que estamos falando de coisas que vivem e existem no seu tempo). Morte porque, sem o devido domínio de toda essa transformação, o destino de toda companhia é a obsolescência e o definhamento, até sua extinção mercadológica. Morte.

Dentro de seu corpo é possível, sim, evoluir e, de maneira proprietária, desenvolver-se diante da nova dinâmica. Mas, dificilmente, todas as soluções e evoluções estarão sempre dentro de casa. Ao contrário, só a aliança com as estruturas que mais e melhor captam o espírito do nosso tempo é que salvará as corporações de definharem sem apelo.

O ritmo e velocidade dessa simbiose tecno-empresarial só vão se acelerar, por inevitável, pelas razões que expus acima. Da mesma forma, a profundidade dessa interdependência só se tornará mais e mais complexa.

As maiores empresas-plataforma tech do mundo, aquelas que lideram hoje as transformações e avanços tecnológico digital no mundo, só chegaram onde estão porque, via um movimento de fusão e aquisição (M&A, na sigla em inglês), adquiriram centenas e centenas de outras companhias, mais disruptivas do que elas. Em sua esmagadora maioria, startups.

O M&A é um mecanismo de apropriação de evolução altamente eficaz, sem dúvida, mas não é o único.

As corporações estão hoje criando programas internos de fomento ao intraempreendedorismo e aceleração de startups em seu próprio ambiente empresarial. Ou investindo em grupos estruturados de suporte a startups, beneficiando-se da proximidade e intimidade com elas. É o corporate venture ganhando dimensões inéditas na história.

São mecanismos de sobrevivência, esses. E evolução da espécie. Espécie, entenda-se, corporativus sobreviventae.

Matéria completa em STARTUPI em 17 de novembro de 2021. 

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Crescimento do setor de Fintech

E a Scale Ventures como oportunidade de investimento neste mercado O setor de fintech tem experimentado um crescimento exponencial nos últimos anos, impulsionado pela

Mercado de M&A é como um filme

O mercado de M&A (fusões e aquisições) possui uma jornada que pode ser vista como um filme composto por várias cenas, e não apenas

Pipeline Capital lança seu primeiro Scape Report na Europa

A empresa especializada em M&A no setor de Tech já elaborou anteriormente outros Scape Reports com o objetivo de oferecer uma compilação das empresas

M&A no setor de tecnologia: desafios e oportunidades

As fusões e aquisições (M&A) no setor de tecnologia têm se destacado como uma poderosa ferramenta para empresas que buscam inovação, expansão e competitividade.

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.