Q1 mostra investidores com apetite a risco. E isso é ótimo.

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Deu no Wall Street Journal, que investidores, grandes e pequenos estão corajosamente famintos por risco no primeiro trimestre deste 2021 ainda incerto. Segundo o WST, eles não só não fugiram do risco, como abraçaram um abraço de urso.

As taxas de juros no País aumentaram no período, mas permanecem perto de níveis historicamente baixos nos EUA. O rendimento do Tesouro dos EUA em 10 anos é de cerca de 1,7%, em comparação com 0,9% no início do ano. As ações estão perto de recordes, com o S&P 500 subindo 5,8% no ano e o Dow Jones Industrial Average subindo 7,8%. 

As razões para isso são meio claras, sendo a mais importante a infusão de trilhões que o Presidente Biden acaba de fazer na economia norte-americana. Algo que vai para além dos efeitos econômicos em si, mas que vaza forte para o espírito otimista de investidores, indústria e varejo, trazendo junto a própria expectativa positiva de cidadãos e consumidores.

A outra, igualmente importante, é a agora estimativa de que as mortes por COVID vão efetivamente experimentar queda significativa, na trilha de um projeto altamente bem sucedido de vacinação em massa no País.

As ações das grandes companhias subiram significativamente neste primeiro trimestre e todos os indicadores apontam para taxas positivas de performance.

Esse movimento deverá ter impacto também no mercado de investimentos no Brasil. Costuma ser assim.

Mesmo em nossa economia meio aos frangalhos, o pedaço do mundo financeiro que resolveu acreditar que IPOs e aportes na economia real, em vez da economia especulativa, pode vir a ser um bom negócio – e vai ser, inevitavelmente – deverá seguir a tendência de seu apetite renovado pelo investimento de risco. Aquele que costuma gerar melhores e maiores resultados.

Report do Distrito, Inside Venture Capital, deste mês, revela que foram investidos em startups no primeiro trimestre do ano US$ 1,9 bi em VC no Brasil, um recorde histórico segundo o estudo. Somente em em março, revela o levantasmento, foram investidos US$ 962,5 mi em mais de 60 deals, o que representa quase dois aportes por dia.

O segundo trimestre já começou e o cenário no horizonte, nesse recorte da economia, não deverá ser nada ruim.

    Compartilhe:

    Últimas Postagens

    Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

    A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

    Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

      A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

    Retail media e CTV juntas

    Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

    Preço não se negocia, se respeita.

    Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

    O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

    Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

    Retail mídia e a performance das marcas

    Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

    Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

    Pipeline Podcast “Papo de M&A”

    Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.