Shein, empresa chinesa de fast fashion, levantou entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões em financiamento

Unicórnio de fast fashion chinesa bate recorde de US$ 100 Bi de valuation

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital Tech.

O valor das empresas oscila ao sabor de inúmeros fatores: diferencial tecnológico e grau de inovação, potencial sustentável e escalável de crescimento, mercado com maior ou menor potencial de expansão, momento econômico, os empreendedores e investidores envolvidos, por aí vai.

Vivemos momento de incerteza e expectativas em função da instabilidade econômica global, inflação em alta internacionalmente, a guerra, por aí vai.

Num cenário assim, a tendência é dos mercados de investimento, M&A, startups, empreendedorismo sofrerem com isso.

No entanto, um importante indicador de desempenho dessa indústria, o Crunch Base Unicorn Board, aponta na direção oposta.

O indicador reúne o movimento de novos unicórnios nascentes na economia internacional e mês passado o mundo deu à luz nada menos que 35 novos unicórnios. Maternidade cheia. Veterinários financeiros correndo prá lá e prá cá.

Coletivamente, agregaram US$ 57 bilhões em valor ao Board e US$ 10 bilhões em financiamento de capital arrecadado.

Mas uma única empresa já no Board adicionou quase o dobro disso – US$ 100 bilhões – em valor ao índice sozinha. Shein, empresa chinesa de fast fashion, levantou entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões em financiamento com uma avaliação de US$ 100 bilhões, tornando-se a terceira mais valiosa do levantamento do Crunch Base.

Ela vale hoje o mesmo que a companhia de exploração espacial de Elon Musk, SpaceX, que também está avaliada em torno de US$ 100 bilhões. E passou a valer mais que uma das queridinhas dos investidores do setor de fintech, a Stripe, avaliada em US$ 95 bilhões.

Tenho insistido num ponto sobre esse backlash econômico global: ele sem dúvida afeta os investimentos internacionalmente. Os investidores se tornam cautelosos, o ritmo de transações diminui, o valor das ações e o porte dos aportes tende a cair. Porém, estamos muito longe de estar vivendo uma crise e este é um setor de oportunidades. Quem tem bala na agulha e um pingo de ousadia, segue se aproveitando do que pode ser não um momento de retração, mas de aceleração.

Compre na baixa. Venda na alta. Juro que não fui eu quem criou essa regra.

 

 

Acompanhe novidades através do site https://pipeline.capital
e também do LinkedIn
e do Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Pipeline Capital é Advisor da Cadastra na compra da Qexpert

A Cadastra, empresa global de soluções de marketing, tecnologia, estratégia de negócios, data e analytics, realizou sua terceira aquisição em quatro meses. Desta vez,

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.