Venture Capital VS Venture Debt.

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Uma das maiores preocupações de um empreendedor com uma empresa em crescimento é o acesso ao capital. Além disso, ele precisa garantir que a quantidade captada seja adequada para que não aconteçam falhas durante o caminho. Para atender essa demanda, existem hoje no mercado diversas opções de financiamento disponíveis para startup como é o caso do venture capital e do venture debt. Mas você sabe qual a diferença entre elas?

Diferente do venture capital, modalidade onde investidores aplicam recursos em empresas com alto potencial de crescimento e elevada rentabilidade, o venture debt é uma opção de financiamento, através de uma dívida não conversível, para startups que não possuem garantias ou geração de caixa suficientes para obter empréstimos tradicionais.

“O venture debt permite aos investidores exposição à startups e negócios com alto potencial de crescimento, porém com menores riscos e prazos de retorno mais curtos do que os investimentos via fundos de venture capital”, explica Gabriela Gonçalves, CEO do Brasil Venture Debt.

Ela ainda conta que no Brasil essa classe de ativo ainda é nova, mas que nos Estados Unidos esse mercado chega a representar cerca de 20% a 25% da fonte de captação de recursos de empresas que se financiam através de instituições de capital de risco.

Uma outra dúvida que pode surgir ao falar sobre venture debt é de como ela se remunera em contraste a uma operação de crédito tradicional. Gabriela conta que as operações de uma dívida de risco são remuneradas através de uma taxa de juros fixa e de um componente variável atrelado ao sucesso da startup, enquanto uma operação de crédito tradicional retira sua remuneração unicamente através de taxas de juros fixas, e que, em alguns casos, pode ter uma taxa de estruturação de crédito e o oferecimento de outros serviços da instituição concedente, como folha de pagamentos e conta corrente como outros adicionais.

“Nesse sentido, vale ressaltar que os fundos de venture debt se remuneram tomando risco junto com o empreendedor, e que o mercado financeiro tradicional busca ao máximo minimizar esse componente restringindo potenciais candidatos e impondo condições como exigência de garantias reais, necessidade de histórico financeiro sólido e relacionamento de longo prazo com a instituição emissora”, complementa ela.

Matéria orginalmente publicada por Startupi.

Acompanhe novidades através do site  https://pipeline.capital
e também do  LinkedIn
e do  Instagram

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Pipeline Capital faz rodada de crowdequity com sucesso para FRN³

Com 10 anos de atividade, posicionada no quadrante Platinum de Engineering Abilities da VTEX, e tendo entre seus principais clientes Seara, JBS, Panasonic, Decathlon,

Impulsione o crescimento da sua empresa com M&A

O crescimento da sua empresa vai além de um desejo – é um imperativo para assegurar sua continuidade no mercado. Entre as estratégias adotadas

Pipeline Capital é advisor da Cadastra na compra da Maeztra

A Pipeline Capital, empresa global de M&A, assessorou a Cadastra, empresa global de serviços de tecnologia, comunicação, dados e estratégia, em sua quarta aquisição seguida

Os benefícios de vender seu negócio para uma empresa maior

Vender seu negócio pode ser uma decisão difícil, mas ao considerar as vantagens de vender para uma empresa maior, muitas vezes se torna uma

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.