Você já pensou que uma fusão pode ser a melhor estratégia de crescimento para sua empresa?

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner na Pipeline Capital.

Empresas são como árvores: nascem pequenas, se desenvolvem, crescem e, ou ficam grandes, ou não se desenvolvem e morrem.

Plantar é o início de tudo. Mas colher o que?

Raramente conseguimos ter absoluta certeza do destino de uma empresa nascente, mas uma coisa será sempre certa: se ela se estagnar no meio do caminho, não terá nunca o sucesso que almeja. Batata, já que estamos falando em plantações.

Na jornada do crescimento e da expansão, inúmeros caminhos vão se apresentando aos empreendedores e empresários e nem sempre a escolha é clara sobre que rota seguir. 

Há o caminho do crescimento orgânico e natural, que como no caso dos alimentos desse tipo, orgânicos e naturais, é um caminho altamente saudável. 

Mas nem sempre os frutos orgânicos e naturais florescem em todos os mercados ou são viáveis para todos os negócios. E aí pronto: temos no terreno a toxina da estagnação e, eventualmente, do encerramento puro e simples da empresa. Nesse caso, nada se colhe, a não ser frustração e, quem sabe, algum aprendizado para se plantar de novo e ir em busca de uma nova safra, um novo negócio.

No meio desse ciclo é que surge a alternativa da fusão. Uma alternativa inorgânica. Mas nem por isso menos saborosa. 

Fusões não são falta de opção, podem ser “a” opção. Fusões não são quebra galhos, podem ser a raiz forte de um frondoso futuro pela frente.

Algumas das razões clássicas para uma fusão são:

  • Incorporação no negócio de alternativas de produtos, serviços, tecnologias e/ou mercados que a companhia ainda não tenha;
  • Incremento puro e simples de valor financeiro do negócio, tornando-o mais sólido e atraente;
  • Aumento de produtividade;
  • Otimização de custos;
  • Potencialização dos dois negócios envolvidos, em que a soma de um mais um vira uma multiplicação cuja resultante é muitas vezes maior que dois;
  • Crescer e se desenvolver.

Aposto muito na última alternativa, que me parece o resumo e, conceitualmente, a reunião de todas as demais. A sublimação de tudo.

Fusões são estratégias de negócios. Essa é a grande verdade. 

Assim, nunca hesite em ter essa como uma alternativa no seu repertório de possibilidades para o futuro do seu negócio.

Fusão é um fruto em si. Plante e verá.

Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.