Marcas apostam em ações sociais para seduzir clientes

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Levantamento feito pela Accenture Strategy aponta que 83% dos consumidores brasileiros preferem comprar de marcas que estejam conectadas aos seus valores de vida

O consumidor brasileiro está cada vez mais preocupado com o que as empresas estão fazendo para contribuir com a sociedade. Em um estudo feito em 2018 pela Accenture Strategy, da consultoria Accenture, foi revelado que 83% dos consumidores no Brasil preferem comprar de marcas que estejam em sintonia com os seus valores de vida. Esse resultado comprova que as pessoas têm preferido consumir marcas que se posicionem e que sejam claros em seus valores.

A pesquisa ainda demonstrou que 79% dos brasileiros querem que as empresas tomem partido em assuntos relevantes para a sociedade, meio ambiente, política e cultura. E para 87% dos ouvidos no levantamento, é importante saber a origem dos produtos da companhia, bem como as condições de trabalho e a questão de testes com animais. Outro ponto exposto no estudo foi de que 65% das pessoas disseram que já deixaram de comprar produtos de uma marca após ela “trair suas crenças”.

Um dos pontos bastante discutidos entre os consumidores é a questão da diversidade e inclusão nas organizações. Recentemente, a rede varejista Magazine Luiza e a multinacional alemã Bayer anunciaram programas de trainee voltados apenas para candidatos negros. Atualmente, o Magalu tem em seu quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. Mas apenas 16% deles ocupam cargos de liderança. E segundo a empresa, foi o alerta despertado por essa baixa participação que fez com que a companhia decidisse atuar, oferecendo oportunidades para quem ainda está começando a carreira. 

“O Magazine Luiza acredita que uma empresa diversa é uma empresa melhor e mais competitiva”, diz Patrícia Pugas, diretora-executiva de Gestão de Pessoas. “Queremos desenvolver talentos negros, atuar contra o racismo estrutural e ajudar a combater desigualdade brasileira”, completa.

Para Lizandra Freitas, gerente-geral da Kimberly-Clark Professional, a conversa sobre a inclusão é mandatória. “As empresas que ainda não entenderam isso estão perdendo o bonde da história”, afirma Lizandra.

A executiva da Kimberly-Clark acredita em uma definição de diversidade mais ampla. “Quando você conta com um time que tem desde alguém que está na empresa há 25 anos, como alguém que acabou de entrar, como um jovem, um millennial, junto com um cara de uma geração Z, e quanto mais pessoas com mentalidades e formas de enxergar o problema diferentes você tiver, mais rica é a conversa”, receita.

Mas não são só os consumidores que estão de olho nas ações sociais das empresas. Os investidores também têm aumentado sua preocupação para que as organizações adotem práticas ambientais, sociais e de governança.

Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a emissão de títulos socioambientais, que são ativos que não priorizam só os aspectos financeiros, como também consideram os impactos ambientais, sociais e de governança das companhias, somaram US$ 328 bilhões em 2019 em todo o mundo. Esses números representam um aumento de 57% em relação ao ano de 2018. Isso mostra como os investidores buscam cada vez mais empresas que priorizem a pauta socioambiental.

Para Lizandra Freitas, da Kimberly-Clark, as pessoas querem saber o que você representa como empresa. “Nesse momento de pandemia, por exemplo, foi muito interessante ver como as pessoas começaram a cobrar das empresas, o que elas estão fazendo pra ajudar a comunidade nesse momento”, diz a executiva. E completa: “a iniciativa privada precisa entender o papel que elas têm em ajudar a forjar uma sociedade melhor. Não adianta o consumidor cobrar do governo e as empresas se excluírem desse processo”.

  1. Pipeline Capital faz parceria com Google
  2. Como fazer um Pitch deck vencedor
  3. Robô ou humano? Quem escreveu esse texto?
  4. Interesse por IPO no Brasil cresce na pandemia
  5. Direito trabalhista na Crise – Entrevista Rosa Bicker
  6. gência artificial para marketing
Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.