Netflix na América Latina – Dados e Estatísticas

Tempo de leitura:
Compartilhe:

Publicado pelo Departamento de Pesquisa Statista, 15 de julho de 2020

A América Latina foi o segundo mercado internacional visado pela Netflix após sua expansão inicial para o Canadá. O plano foi anunciado em meados de 2011 e cerca de três meses depois o serviço de streaming da empresa foi lançado no Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México, tudo em uma semana. Os demais países o seguiram rapidamente nas semanas seguintes.

Em 2019, os negócios da Netflix na América Latina tinham 32,4 milhões de assinantes – mais de 19 por cento dos membros pagos de streaming da empresa em todo o mundo, gerando 2,8 bilhões de dólares – aproximadamente 14 por cento da receita global da empresa.

Concorrentes

Existem até 67 diferentes provedores de vídeo sob demanda por assinatura na região e a Netflix tem o maior número de assinantes de longe, seguida por outro gigante dos EUA: Amazon Video. Uma marca local, latino-americana, ocupa a terceira posição – Claro Video, de propriedade da provedora de telecomunicações mexicana América Móvil. Outros concorrentes incluem HBO, Movistar Play (de propriedade da operadora de telecomunicações espanhola Telefónica), bem como outra marca local Blim, de propriedade do líder do mercado de mídia mexicano Grupo Televisa.

Outra força SVoD emergente a ser considerada é o YouTube, já usado por 36% da população regional. A indústria de TV e vídeo over-the-top latino-americana foi estimada em 3,84 bilhões de dólares americanos em 2019, o que coloca a Netflix em quase 75 por cento da participação de mercado.

Audiência

Atualmente, o Netflix é usado por 11 por cento da população latino-americana e deve chegar a 13,4 por cento até 2023. O Brasil é o maior mercado latino-americano da empresa em número de assinantes, seguido pelo México e Argentina. Junto com a Colômbia, esses quatro países desfrutam dos preços de assinatura mensal mais baixos da região. Em geral, os serviços do SvoD encontram um público disposto na América Latina – entre 48 e 64% gostam de “maratonar”, e entre 55 e 60% relatam compromissos cancelados com amigos ou família para terminar de assistir seu programa favorito.

  1. Pipeline Capital faz parceria com Google
  2. Como fazer um Pitch deck vencedor
  3. Robô ou humano? Quem escreveu esse texto?
  4. Interesse por IPO no Brasil cresce na pandemia
  5. Direito trabalhista na Crise – Entrevista Rosa Bicker
  6. Inteligência artificial para marketing
Compartilhe:

Últimas Postagens

Pipeline Capital e digitaliza.ai lançam o primeiro Scape Report interativo

A Pipeline Capital, empresa global de fusões e aquisições com foco em tecnologia, criadora dos Scape Reports, que se consolidaram como um guia de

Pipeline Capital é advisor da Vianuvem na sua venda para a Unico

  A unico, IDTech brasileira de soluções de proteção de identidade visual anuncia a compra de 100% das operações da Vianuvem, startup de gestão

Retail media e CTV juntas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. O levantamento é da Innovid, uma plataforma de adtech e mensuração de performance de mídia.

Preço não se negocia, se respeita.

Texto de Alon Sochaczewski, Founder e CEO da Pipeline Capital. Vamos aproveitar o começo de ano para refletir sobre comportamentos essenciais que podem mudar

O Ecossistema de Inovação de Porto Alegre desabrochou

Texto de Cesar Paz, Business Partner da Pipeline Capital. Para avançarmos na afirmativa do título desse texto, primeiro precisamos entender minimamente o que seria

Retail mídia e a performance das marcas

Texto de Pyr Marcondes, Senior Partner da Pipeline Capital. Explosão de retail mídia inclui performance, mas também construção de marca. Temos visto que praticamente

Connect to the best of M&A world Subscribe to our Newsletter

Pipeline Podcast “Papo de M&A”

Pipeline Capital’s podcast on mergers and acquisitions, innovation and technology.